BARRINHAS DE PROTEÍNAS MELHORAM ATÉ O TREINO AERÓBIO

Veja quando consumir e descubra a quantidade ideal na sua dieta

Pensando em obter mais resultados no treino, você pensa logo nas barrinhas de proteína como reforço na dieta. O nutriente, indispensável para o funcionamento do organismo e especialmente necessário no metabolismo de quem deseja aumentar os músculos, está presente nas carnes (brancas e vermelhas), nos peixes, nos ovos e no leite.

Mas, como a recomendação diária é alta (um grama de proteína por quilo de peso nos indivíduos sedentários), nem sempre as refeições conseguem dar conta deste total. “Nesses casos, a suplementação é indicada e não apresenta contra-indicações”, afirma a nutricionista Ana Paula Mendonça, da Clínica Gênesis. A seguir, ela dá dicas para você tirar proveito máximo das barrinhas de proteína (não confunda com as de carboidratos, usadas para reposição energética) e diferencia o produto da versão em pó, também bastante popular entre quem pratica exercícios.

Elas são para todo mundo.
As barras de proteína, assim como outros suplementos alimentares, devem ser vir de apoio para a sua dieta (não importa se você faz exercícios ou não). No entanto, não deixe de conferir os rótulos e ver se a quantidade de calorias de cada unidade está dentro das suas necessidades diárias. Vale lembrar que a composição das barrinhas também apresenta carboidratos e gorduras e que o valor calórico médio chega a 200kcal.

Treino aeróbio também queima proteína.
A prática de exercícios aeróbios, mesmo que em menor proporção do que a musculação, também contribui para um catabolismo protéico. Portanto, o consumo adequado de proteínas ajuda o organismo a poupar as reservas deste nutriente, estimulando a perda de gordura corporal. Isso mesmo: consumidas dentro das proporções diárias recomendadas, as barras de proteína podem ser utilizadas para quem faz apenas exercícios aeróbicos.

Consuma após o treino.
O momento da oferta do nutriente ao músculo é de extrema importância no resultado do treino. Durante todo o dia o músculo é submetido a diferentes fases de um ciclo de crescimento muscular. Existe a fase energética, a fase de recuperação e a fase de crescimento. Se as barrinhas forem pensadas como recurso para o aumento da massa, o ideal é comer logo após o treino de musculação (quando o organismo precisa do nutriente para se refazer das microlesões causadas pelas séries).

No dia de folga também pode.
As barras de proteína podem ser consumidas em dias que não há treino, porque oferecem nutrientes de que nosso corpo precisa para funcionar adequadamente. Pense em uma unidade como substituição do lanche da manhã ou da tarde e não deixe de observar a quantidade de calorias que ela acrescenta na sua dieta.

A proporção ideal entre carboidratos, proteínas e gorduras.
As relações de gordura, carboidrato e proteína variam muito de uma marca para outra, facilitando adequação às suas necessidades. Para substituição de um lanche da tarde, sem comprometer a ingestão calórica diária, as melhores opções seriam as barras que têm, em média, 10-20g de proteína, 15-30g de carboidrato e 5-7g de gordura.

Barrinhas ou proteína em pó?
As pesquisas mostram que ambas auxiliam na hipertrofia muscular, mas só devem ser usadas quando as recomendações dietéticas não são alcançadas. Dentre as proteínas em pó, podemos destacar a albumina, o proteinato de cálcio e a whey protein:

Albumina: é a proteína da clara do ovo. Indicada para os iniciantes na musculação.

Proteinato de Cálcio: proteína da soja. Indicada para os atletas e praticantes de atividade física que não comem a proteína de origem animal.

Whey Protein: é a proteína de soro do leite, tem ótima digestibilidade. Encontramos whey protein em três diferentes formas: isolada, concentrada e hidrolisada. Quanto mais rápida a proteína é digerida, maior o poder de síntese e absorção da proteína, proporcionando a recuperação muscular e o ganho de massa magra com maior rapidez e eficiência.

Whey protein isolada: pura, não tem mistura de outro tipo de proteína.

Whey Protein concentrada: maior quantidade de proteína por porção.

Whey Protein hidrolisada: de mais fácil absorção em relação às demais, pois é pré-digerida.

As proteínas concentradas em barra são práticas de fácil transporte e consumo, uma opção para quem não tem como bater os shakes de proteína em pó. A diferença básica é que as barras contêm um pouco mais de carboidrato e levam mais tempo para serem absorvidas.

Batendo a proteína em pó.
Para facilitar a digestão e absorção o ideal é bater as proteínas em pó com água. A adição de uma fruta ajuda na recuperação muscular pós-treino, porque oferece carboidratos.

Proteínas para vegetarianos.
As barrinhas de proteína levam em sua composição leite, ou proteína do soro do leite. Algumas marcas também associam leite de soja. Indivíduos ovolactovegetarianos devem dar preferência aos suplementos que possuem apenas proteínas da soja na composição, como o proteinato de cálcio.

Resultados mais rápidos.
A hipertrofia muscular ocorre quando as taxas de síntese protéica são maiores que as taxas de degradação protéica corporal. O aumento da síntese protéica depende de um treinamento adequado, em volume e freqüência, de períodos de descanso, de perfil hormonal favorável (maior liberação de hormônios anabólicos e menor liberação de hormônios catabólicos) e, principalmente, de uma oferta adequada de nutrientes que estejam envolvidos na hipertrofia muscular (como as proteínas). O consumo das barrinhas pode auxiliar nos resultados e na performance do praticante de atividade física, porém associada a outros componentes da dieta e um programa de treinamento adequado que inclua séries de exercícios suficientemente intensos e períodos de descanso.

Calcule a quantidade diária que você deve consumir.
O consumo protéico recomendado para pessoas sedentárias saudáveis varia de 0,8 a 1,0g de proteína/kg de peso corporal. Praticantes de musculação e atletas devem ter um consumo médio de 1,2 a 1,8g de proteína/kg de peso corporal. A quantidade protéica necessária para o atleta deve ser oferecida durante todo o dia dentro de um percentual que varia de 15-20% do valor calórico total da dieta, ou seja, uma pessoa sedentária pesando 70kg deve consumir diariamente de 56 a 70g de proteína por dia. Já em um atleta ou praticante de atividade física, esta quantidade pode variar e 84 a 126g por dia. O excesso no consumo de proteínas pode causar sobrecarga hepática e renal, órgãos envolvidos no metabolismo deste nutriente.

Sugestão de barrinhas: http://www.nutricentershop.com/massa-muscular/barras-proteicas.html

Fonte: http://goo.gl/yl9oPK

Postado em Novidades Por

Nutricenter Shop